sábado, 25 de maio de 2019

15th International Meeting of Music and Media What has gone with the wind… Over the rainbow? (About music and memory) September25-27, 2019 Sao Paulo, Brazil

In 1939, 80 years ago, the world has been thrilled by the premiere of two cinematographic works: Gone with the wind and The Wizard of Oz. The memorable films, in addition to the direction of Victor Flemming, share another important participation: that of the composer Max Steiner, either in the writing of the soundtrack or in the arrangement of songs. Both the theme of Tara and Over the Rainbow still remain as classics of the repertoire of contemporary artists, occupying the sound landscape and memorial of generation to generation.
Twenty years later, during the 1st. World War, Darius Milhaud arrives in Rio de Janeiro for a diplomatic mission. In contact with the country, his music incorporates sound and musical landscapes: His works, not only adopt local genres such as tango, Samba, Maxixe includes excerpts of known pieces, which appear in the form of quotation, as the result of listening. All sorts of music, in concerts, in the soirées and street music... Saudades do Brasil, a piano suite consisting of twelve pieces  is a centenary work and, coincidentally, is strongly related to the studies of music in its many interfaces: By employing this the compositional technique, Milhaud not only inscribes in his repertoire the Brazilian musical soundscape in which he lived but also by quoting excerpts from pre-existing pieces, he transforms into memory "the spirit of those days”, to stop beyond the very musical aesthetics he developed (the polytonality), Which wasn’t the composer’s propose, at first, but it was what has become after all.
Much of Milhaud's work is a memory of music by music. If Over the rainbow can be heard repeatedly in Judy Garland’s voice, on the most different media platforms, by the end of the 19th. century there was no other way to preserve it except for writing (the score). The recording facilities allowed the creation of collections, holdings, which could be stored and catalogued.
The creation of collections and documentary sources are the result of personal or institutional initiatives and, in order to be maintained, public policies are priorities – guaranteeing them for their preservation and continuity of the classification and archiving work. In this sense, the informatics came to boost the relevant work developed by information science through the dissemination of digital platforms. On the other hand, when taken up by less rigid systems, it results in important repercussions. Loosing of the classification criterions or the timid presence of specialists makes Spotify, Deezer and other companies free to offer works in large quantity online not infrequently organized in an incomplete or even unreasonable way. And in another sense, the emergence of channels like Youtube began to allow access to unattainable or unknown materials. At this point, it is worth asking: how can the songs absorbed by these platforms be recognized or found? Are there interests, mechanisms and actions to ensure the incorporation of a broad repertoire to the collections, especially considering the short life of media platforms and formats of the reproductive devices?  No less disturbing is the relationship that is established between file and memory: There are works that will never be transferred from one technology to another, not only due to a marketing decision in order to attend capital demands, but also cultural ones: Culture is memory which, on its turn, implies selection. As the theorists of the School of Tartu point out, the dynamics of memory is processed in the movement of permanence and disposal: the cultures remember forgetting... But they tend, on the other hand, to generate new texts, from the processes of resignification of the pre-existing ones.
 From another aspect, we can also highlight the subjectivity of musical memory, whether individual or collective: There are works established as places of memory, marking specific or periodized events, establishing bonds with facts to collective life or individual. The importance, the strength of the signs (musicals) of memory can interfere in their duration of memory places.
Finally, mechanisms of an organic nature determine the configuration of the memory. Here, the forms of sensitivity vary by stimuli (or its absence), based on a biological (neuro) system. Here one cannot fail to emphasize its importance in the configuration of the composer's memory, which forms part of auditory experiences from childhood, the memory that the musician develops (interpretative styles, performance models, etc.), as well as the Memory of listeners which, in turn, is also constituted by a universe of listening acquired throughout life.
The 15th Meeting intends, thus, to bring to the discussion the relationships between memory and music. Memory, as a mechanism of storage and fixation, but also of disposal, resignification and generation of new texts; Memory as an activity of the organism, which oscillates and creates semantic processes through various stimuli; Memory as a form of registration and its specific techniques of conservation. Also, the role of the policies and institutions that work with the objective of preserving the musical repertoire of all time is at the centre of the discussions here proposed.
This year, MusiMid has the participation of professors-doctors Ana Guiomar Rêgo Souza (UFG), Barbara Heller (UNIP), Herom Vargas (Methodist), Magda Clímaco (UFG), Márcia Ramos de Oliveira (UDESC), Mônica Rebecca Ferrari Nunes (ESPM), Priscilla Perazzo ( USCS) as interlocutors, in order to explore the various ways of understanding the memory in its organic aspect and its reverberations in the forms of sensibility and aesthetic creation, as well as in the forms of sociability. To this end, the debates are structured in three thematic axes:

1 Archives, Database, collections:
The selection, organization, and configuration policies of the databases. The role of social actors: governmental and non-governmental institutions in safeguarding and preserving. Discards and dismantling of collections. The role of oblivion and the processes of resignification.

2 A large universal collection? Remembered and forgotten.
Not everything is stored as a file, such as memory. There are choices that determine permanence or forgetfulness, guiding processes of resignification. Platforms such as Spotify and Deezer do not imply the transfer of all works. Furthermore, the transfer of Phonographic Materials have ceased to bring information about the original recording. This thematic axis intends to discuss these implications

3. Memory and music: processes of memory and forgetfulness understood under the biological and neurobiological aspects (from cognition to stimuli of sensory and emotional nature such as traumas, etc.); The cognitive operations that enter the scene in the fixation of memories: subjectivities; Affectivity Bond powers; Musical worms; Hallucinations and altered states of consciousness;  musician and listener memory and their configuration forms.

Modalities of participation:
Oral Communications
Poster Sessions
Audiovisual Sessions.

Important Dates

Call for work: April 1st., May 13th
Selection Result: June 5
Submission of full papers: from the 1st to the 12th of August.

More information (coming soon), on the page: www.doity.com.br/15encontromusimid

Three categories of presentations will be accepted: written texts, posters, and audiovisuals (DVD format). An abstract (200-250 words) must be sent prior to May 13th. Abstracts must be accompanied by a title, 5-10 references, 3-5 keywords, and a biographical note (up to 5 lines). Results will be announced until 5th. June. The authors will be directly notified through Doity platform.

Instructions for submission of full papers:

Written texts:
The full version of the texts (between 10 and 20 pages) should be delivered on the 1st to the 12th of August, already in its final version, with the format of editing and text revision. ALL works submitted within the publication standards and the regulatory the deadline will be published in minutes. It should be Noted that the author is responsible for reviewing the text and requesting permission to reproduce images to the copyright holders.

Audiovisual texts: Audiovisual works should be between three and ten minutes, and should be presented in DVD format. It will Consist of a thematic session for modalities of this nature. The final result must contain the entire datasheet.
Registration fee


Additional information

Please contact the email musimid15@gmail.com or visit the webpage http://www.doity.com.br/15encontromusimid.mus.br/



15º Encontro: informações sobre inscrições


Local: cidade de São Paulo (local a ser divulgado em breve)
Data: 25 a 27 de setembro.

Modalidades de participação:
Comunicações orais
Sessões de pôsteres
Sessões audiovisuais.

Datas importantes:

Chamada para trabalhos: 1º de abril a 13 de maio
Resultado da seleção: 5 de junho
Envio dos trabalhos completos: de 1º a 12 de agosto.

Maiores informações , na página: www.doity.com.br/15encontromusimid


15º ENCONTRO INTERNACIONAL DE MÚSICA E MÍDIA ... E o que vento levou, além do arco-íris? (Sobre música e memória) São Paulo 25 a 27 de setembro, 2017


Há 80 anos, o mundo se emociona com a estreia de duas obras cinematográficas: E o vento levou e O mágico de Oz. Os memoráveis filmes, além da direção de Victor Flemming compartilham outra participação importante: a do compositor Max Steiner, quer na escrita da trilha de abertura, quer no arranjo de canções. Tanto o tema de Tara, quanto Além do arco-íris (Over the rainbow) ainda permanecem como clássicos do repertório de artistas contemporâneos, ocupando a paisagem sonora e memorial de geração a geração.
Vinte anos antes, em plena I Guerra Mundial, Darius Milhaud chega ao Rio de Janeiro em missão diplomática. O contato com o país faz com que sua música incorpore paisagens sonoras e musicais: não apenas adota gêneros locais, como tango, samba, maxixe, bem como também se vale de trechos de peças conhecidas, que aparecem em forma de citação, fruto da escuta praticada de todo tipo de música, nos concertos, nos saraus, na rua... Saudades do Brasil, uma suíte de doze peças para piano completa seu centenário e, coincidentemente, evoca algo de muito caro aos estudos da música em suas diversas interfaces: Ao empregar essa técnica composicional, Milhaud não apenas inscreve em seu repertório a paisagem musical do Brasil em que viveu. Mais que isso, ao citar trechos de peças pré-existentes, transforma em memória “aquele tempo”, parar além da própria estética musical que sistematizou (a politonalidade). Muito provavelmente esta não era a intenção do compositor, mas assim resultou...
Boa parte da obra de Milhaud constitui memória da música, pela música. Mas há outras maneiras de fazê-lo. Se Over the rainbow pode ser escutada repetidamente na voz de Judy Garland, nas mais diferentes plataformas midiáticas, até o fim do século XIX não havia outra forma de conservá-la senão pela escrita (partituras). A possibilidade de registro sonoro permitiu a criação de coleções, acervos, passíveis de ser armazenados e catalogados. A criação de acervos e fontes documentais é resultado de iniciativas pessoais ou institucionais e, para que sejam mantidas, políticas públicas são prioritárias – o que lhes garante a sua conservação e continuidade dos trabalhos de classificação e arquivamento. Nesse ponto, a informática vem impulsionar o relevante trabalho desenvolvido pela ciência da informação, com a disseminação das plataformas digitais. Em contrapartida, quando assumida por sistemas menos rígidos, resulta em repercussões importantes. O afrouxamento no critério de classificação ou a presença tímida de especialistas faz com que Spotify, Deezer e outras empresas passem a oferecer obras em turbilhões, via on-line, organizadas, não raro de forma incompleta ou mesmo despropositada. E, em outro sentido, o surgimento de canais como o Youtube permitem o acesso a materiais até então inatingíveis ou desconhecidos.
Neste ponto, cabe indagar: como as músicas absorvidas por essas plataformas poderão ser reconhecidas ou encontradas? Existem interesses, mecanismos e ações no sentido de garantir a incorporação de um amplo repertório aos acervos, sobretudo se considerando a efemeridade das plataformas midiáticas e formatos dos dispositivos reprodutores?
Não menos inquietante é a relação que se estabelece entre arquivo e memória: além da constante mudança de tecnologias, obedecendo a interesses voltados às demandas do capitalismo, há imperativos de natureza cultural: cultura é memória que, por sua vez, implica em seleção. Conforme apontam os teóricos da Escola de Tártu, a dinâmica da memória se processa em movimento de permanência e descarte: as culturas se lembram esquecendo... Mas tendem, de outra parte, a gerar novos textos, a partir de processos de ressignificação dos pré-existentes.
Sob outro aspecto, podemos destacar também a subjetividade da memória musical, seja ela individual ou coletiva: há obras se estabelecem como lugares de memória, marcando acontecimentos pontuais ou periodizados, estabelecendo vínculos com fatos da vida coletiva ou individual. A importância, a força dos dos signos (musicais) da memória pode interferir na sua duração dos lugares de memória.
Por fim, mecanismos de natureza orgânica determinam a configuração da memória. Aqui, as formas de sensibilidade variam mediante estímulos (ou a ausência destes), fundamentados num sistema (neuro)biológico. Aqui não se pode deixar de ressaltar sua importância na conformação da memória do compositor, que se inscreve a partir de experiências auditivas desde a infância, a memória que o músico desenvolve (estilos interpretativos, modelos performáticos etc.), assim como a memória dos ouvintes que, por sua vez, também é constituída por um universo de escuta adquirido ao longo da vida.
O 15º Encontro pretende, assim, trazer à discussão as relações entre memória e música. Memória, como mecanismo de armazenamento e fixação, mas também de descarte, ressignificação e geração de novos textos; memória como atividade do organismo, que oscila e cria processos semânticos mediante estímulos diversos; memória como forma de registro e suas técnicas específicas de conservação. Também o papel das políticas e instituições que atuam com o objetivo de conservar o repertório musical de todos os tempos se encontram no centro das discussões, aqui propostas.
Neste ano, o MusiMid conta com a participação dos professores-doutores Ana Guiomar Rêgo Souza (UFG), Barbara Heller (UNIP), Herom Vargas (Metodista),  Magda Clímaco (UFG), Márcia Ramos de Oliveira (UDESC), Mônica Rebecca Ferrari Nunes (ESPM), Priscilla Perazzo (USCS) como interlocutores, com o objetivo de explorar as diversas maneiras de entender a memória no seu aspecto orgânico e suas reverberações nas formas de sensibilidade e criação estética, como também nas formas de sociabilidade. Para tanto, os debates estruturam-se em três eixos temáticos:


1            Acervos, banco de dados, coleções:
As políticas de seleção, organização e configuração dos bancos de dados. O papel dos atores sociais: instituições governamentais e não-governamentais na salvaguarda e conservação. Descartes e desmanches de acervos e coleções. O papel do esquecimento e os processos de ressignificação.

2     Um grande acervo universal. Signos lembrados e esquecidos.
Nem tudo que existe é guardado como arquivo, como memória. Há escolhas que determinam a permanência ou esquecimento, orientando processos de ressignificação. Plataformas como Spotify e o Deezer não implicam na transferência de todas as obras. Ademais, a transferência de materiais fonográficos deixou de trazer consigo as informações sobre a gravação original. Este eixo temático pretende debater estas implicações.

3   Memória e a música: processos de memória e esquecimento entendidas sob o aspecto biológico e neurobiológico (da cognição a estímulos de natureza sensorial e emotiva como traumas etc.); as operações cognitivas que entram em cena na fixação de memórias: subjetividades; afetividades; poderes de vínculo; vermes musicais; alucinações e estados alterados de consciência; a memória musical do músico e do ouvinte e suas formas de configuração.


Local: cidade de São Paulo (local a ser divulgado em breve)
Data: 25 a 27 de setembro.

Modalidades de participação:
Comunicações orais
Sessões de pôsteres
Sessões audiovisuais.

Datas importantes:

Chamada para trabalhos: 1º de abril a 26 de maio
Resultado da seleção: 5 de junho
Envio dos trabalhos completos: de 1º a 12 de agosto.

Maiores informações , na página: www.doity.com.br/15encontromusimid

quarta-feira, 4 de julho de 2018

14º Encontro Internacional de Música e Mídia : propostas de trabalho aprovadas



Relação das propostas de trabalho aprovadas para o 14º Encontro MusiMid:


"Quem manda é a deusa Música": produção, circulação e materialidade dos sons no contexto de estúdios de gravação Daniel Ferreira Wainer

#Da Pra Fazer - Musicalidades urbanas, construções identitárias e disputas territoriais. Gabriel Moreno da Silva

“Cidade feliz que se repete em doce escala, na voz do rio...”: O litoral do Piauí na produção fonográfica da Prefeitura Municipal de Parnaíba na década de 1990 Gustavo Silva de Moura

“Eu canto pra falar do Amazonas”: narrativas musicais de uma geração de músicos de Manaus Mauro Augusto Dourado Menezes

“Is Santiago the New Brooklyn?”: A Formação de Imaginários sobre Santiago do Chile na Cena Psicodélica Transnacional Shannon Garland

“Muitas cidades numa só”: a Cidade de Gilberto Mendes Fernando Magre

A “domestificação” da música ao vivo: a construção da sala de estar como território sonoro Victor de Almeida Nobre Pires

A cena alternativa do recôncavo baiano: tensões das performances e práticas com a cultura tradicional operados pela banda Escola Pública Kaio Pereira de Jesus

A crise da contracultura e Going to California Ricardo Sinigaglia Arruda

A cultura afro-cubana na música popular brasileira de João Donato Márcio de Oliveira Silva

A Heterogênese entre espaço, música e audiovisual em MATE o Espetáculo, uma obra transmídia. Stanley Levi Nazareno Fernandes

A Intensidade na Escuta do Funk Thiago Barbosa Alves de Souza

A invenção de um espaço imaginário a partir da memória criada pela trilha sonora na televisão brasileira. Yuri Behr

A Revista do Rádio e a presença das cantoras portuguesas no Brasil Márcia Ramos de Oliveira

ARCOS DA LAPA: COM QUE MÚSICA EU VOU? JOANA MALTA GOMES

As sonoridades na comunicação brasileira: preliminares analíticas Marcelo Bergamin Conter

Canção amiga: alteridade, estesia e reconhecimento Laan Mendes de Barros

Cenas musicais, estilos e espaço urbano Luciana Xavier de Oliveira

CIUDAD SONORA Daniel J. Atilano M.

Como ser tão pop: da roça aos megashows - reflexões sobre as transformações estéticas na música sertaneja e seus espaços de apresentação Ricardo Polettini

Complexidades referenciais em Santos Football Music: do campo de futebol ao campo de concerto João Batista de Brito Cruz

Considerações sobre Alta e
Baixa Fidelidade no Funk Rafael Hermés Mondoni Moreira

Construção da identidade do canto popular midiatizado no samba. Mirian Marques Rechetnicou

DIY e materialidades: Bandas de Rua no Rio de Janeiro Lucimara Rett

Do rasgar o oeste com lampejos sonoros: notas sobre experiências de aprendizado estético coletivo Milene Migliano

El Pabellón de Venezuela en la Exposición de Montreal en 1967 y el Museo de Arte Moderno Jesús Soto en 1970. Dos casos venezolanos en la relación entre música, arquitectura y arte. Daniel J. Atilano M.

Ela é a nova abelha rainha: estratégias de visibilidade na performance musical de Ludmilla Dariane Lima Arantes

Ensaio Aberto: Territorialização através da música na sede do Coletivo AfroCaeté Antonio Barbosa da Rosa Oiticica

Entre Havana e Miami: A construção de representações sobre o território em Camila Cabello. Igor Lemos Moreira

ESSE AMOR QUE ME MATA . . . SAUDADE DE MATÃO: Um Estudo Sobre Cinco Matrizes da Música Sertaneja Zé Renato - Aparecido Donizeti Rodrigues

Experiências radicais na canção brasileira: o Lira Paulistana e sua interferência na sonoridade de São Paulo Nancy Alves

Fotografia amadora de música: um experimento comparativo entre 2007 e 2017 Dani Gurgel

Há um lugar para a improvisação musical livre? Pelas invenções frente ao instituído Stênio Biazon (Stênio Ramalho Biazon Gomes)

Identidade e diferença na música popular: Vitor Ramil e a estética do frio Valterlei Borges de Araújo

Intervenção artística queer pelas brechas: Emergências LGBTQI+ enquanto temática de debate e produção artística na “Concha Acústica/Concha Queer” de Santos/SP Raphael F. Lopes Farias

Lutas Simbólicas: a busca por espaços para a consagração entre os DJ de Fortaleza-CE Rafael Silveira de Aguiar

MÍDIAS DIGITAIS: SPOTIFY versus DEEZER Luis Porto

Município educador e a musicalidade no distrito de Barão Geraldo, Campinas- SP Klesley Bueno Brandão

Musicar local: a “Praia da Estação” e o carnaval de rua contemporâneo de Belo Horizonte Estêvão Amaro dos Reis

Músicas das ruas: culturas urbanas e práticas criativas em duas cidades Martin de la Cruz López Moya

Não compre, baixe: reflexões sobre o que ainda é um autor Victor Otávio Carvalho Marques

Nas trilhas das rodas: apontamentos sobre o 'musicar' do choro no interior paulista. Renan Moretti Bertho

Nova música pop baiana emerge da adoção de gêneros locais com sotaques sonoros cosmopolitas Nadja Vladi Gumes

O Bum Bum de Bach: embates e julgamentos culturais na fronteira entre música clássica e o funk de MC Fioti Fernando Gonzalez

O Espaço como parâmetro interpretativo e composicional - experimentações com o quarteto de violões Corda Nova Stanley Levi Nazareno Fernandes

O espaço do remix na cultura contemporânea: notas sobre a sociabilidade pós-moderna e seus desdobramentos nas práticas musicais. Pablo Cezar Laignier de Souza

O espaço físico como elemento improvisacional: espacialidade e espacialização Stênio Biazon (Stênio Ramalho Biazon Gomes)

O LUGAR DA MÚSICA - Uma análise do processo criativo sob a perspectiva do receptor Rosana Araujo Rodrigues
O pregão brasileiro como forma de consumo Marcos Júlio Sergl

O Sagrado e o Ser(tão) das músicas sertanejas: sociedade midiatizada e território. Giselle Gomes da Silva Prazeres Souza

O Samba Chula em Trans-Missão! Katharina Doring
Os passos do aprender nos espaços de tocar Choro: considerações sobre o encontro artístico e pedagógico Semana seu Geraldo, em Leme – SP LUCIANA FERNANDES ROSA

Os sentidos de lugar e os lugares de sentido da música popular como Patrimônio Cultural na cidade Luiz Henrique Assis Garcia

Percussão múltipla sob interatividade reativa e projeção espacial Regis Faria

Performance do Cotidiano, camadas de escutas Mirian Steinberg

Praça dos Ex-Combatentes: ressignificação do espaço público através da Roda Cultural Guilherme Santos]

Proyectar una investigación etnomusicológica incluyendo el audiovisual. Algunos ejemplos para la reflexión. Fabián Arocena

Quando Cenas Virtuais Tornam-se Translocais: A Internet Como Elo Essencial em Turnês Independentes Karina Moritzen Barbosa

Rap e Resistência Theo de Sá Guimarães Cancello

Revisitações ao Espaço Específico: vínculos existentes entre obra e paisagem sonora Elder Oliveira

Sons diegéticos no documentário Vitor Pasquini Scarpelli

StreetMusicMap - o mapeamento mundial da música de rua Daniel Bacchieri

Teatro da Vanguarda: o Lira Paulistana e a música independente Gabriela Miranda de Frias

Terremoto de aço: reverberações corporais perante o heavy metal Gustavo Guedes Brigante

Tradicionalidade e disputas em torno do brega paraense Rafael José Azevedo

TRILHA SONORA: Música e Sonoridade na contemporaneidade híbrida. Joana Knobbe Ferreira

Um elogio do riff - Produção de presença nos drones do Sunn O))) Felipe Viana Estivalet

Um lobo solitário nas margens da pauliceia: A imaginação urbana de Edvaldo Santana Ricardo Santhiago

VIDEOMEMES MUSICAIS E PAISAGENS PERIFÉRICAS: PERFORMANCES DO FUNK CORPORIFICADAS A OUTROS GÊNEROS MUSICAIS Luana Inocêncio



Yoko Ono: uma presença vanguardista nos Beatles Vanessa Pironato Milani